Personalizando a marca da sua empresa.

Há mais 20 de anos no mercado, a Flatex, atende o Barbacena, é uma empresa de confecções voltada ao mercado de sacos, sacolas, flanelas e capas produzidos de forma personalizada por atacado.

Personalizando a marca da sua empresa.

Há mais 20 de anos no mercado, a Flatex, atende o Barbacena, é uma empresa de confecções voltada ao mercado de sacos, sacolas, flanelas e capas produzidos de forma personalizada por atacado.

Fábrica de Sacolas TNT Personalizadas, atendimento especializado em Barbacena, preço de atacado, entrega rápida.

Procurando por sacolas TNT personalizadas em Barbacena?

A Flatex Sacolas é especializada na confecção e personalização de sacolas, sacos, sacochilas à preço de atacado, proporcionando o melhor custo para o seu negócio. Despachamos para todo o Brasil e atendemos grandes e médias empresas. O melhor custo em atacado em produtos personalizados.

Sacolas Personalizadas TNT em Barbacena

Sacolas Personalizadas TNT Barbacena

Com uma vasta gama de Sacolas Personalizadas em mais de 20 anos de experiência, a Flatex Sacolas ainda se destaca pela possibilidade de criação de novos produtos, atendendo grandes e pequenos pedidos.

SACOS – (TNT, Algodão Crú, Flanela, Bijuteria, Tipo Mochila) – SACOLAS (Alça e Alça Única) – FLANELAS (Básicas e Personalizadas) – CAPAS E LUVAS (TNT e Flanela).

SACOLAS EM TNT, SACOLAS EM ALGODÃO CRÚ, SACOLAS PERSONALIZADAS COM ALÇA E ALÇA ÚNICA, SACOLAS EM SILK SCREEN, SACOLAS PARA ROUPAS E CALÇADOS EM GERAL

Faça agora mesmo o seu orçamento de Sacolas Personalizadas em Barbacena

Entre em contato conosco e faça a sua cotação on-line, atendemos toda a Região de Barbacena. Preço e Qualidade em Sacolas Personalizadas aqui na Flatex Sacolas Personalizadas.

As Sacolas de TNT personalizadas, por mais simples que sejam, agregam valor aos seus produtos e a imagem da sua empresa. Elas são perfeitas divulgar sua loja de roupas ou calçados, mercados, comércios em Geral e para expor sua marca nas grandes feiras e eventos promocionais.

Independente do seu projeto, temos um tipo de sacola com acabamento que se encaixará perfeitamente.

Oferecemos diversos tipos de acabamentos desde os mais simples aos mais sofisticados utilizados por lojas de grifes e encontrados também nas sacolas de lojas de shoppings.

Se você está em dúvida sobre qual é o tipo de sacola ideal para sua loja, fale conosco.

Print

Produção

01

Silk Screen

O processo de impressão é todo feito internamente, mantendo o padrão de qualidade da Confecções Remaili, baixando custos para clientes e possibilitando ainda mais personalizações no produto final.

02

Corte e Costura

São diversas opções de corte e costura, máquinas modernas, extensa mesa de corte e mão-de-obra especializada para cortes personalizados feitos na medida para sua produção.

03

Acabamento

Muita atenção aos detalhes, e acabamentos feitos internamente seguindo o padrão de qualidade de todo o processo. São diversos acabamentos, podendo ainda ser criadas novas opções de acordo com sua necessidade.

Bolsas de TNT em Barbacena

Bolsas em TNT em Barbacena

Bolsa de TNT com costura estilo viés e alças em TNT.

Sacolas de TNT em Barbacena

Sacolas em TNT em Barbacena

Sacola de TNT com costura em overloque interna e alças em TNT.

Bolsas Personalizadas TNT  Barbacena

Sacos em TNT em Barbacena

Saquinho de TNT com alça em cordão de polipropileno ou poliester 4/1 para fechamento.

Envelopes de TNT

Envelopes de TNT em Barbacena

Envelopes de TNT com costura em overloque externo e botão de pressão para fechamento.

Sacolas em TNT  Barbacena

Sacochilas de TNT em Barbacena

Mochilas de TNT com alça em cordão de polipropileno ou poliester e ilhoses.

Flanelas Personalizadas  Barbacena

Flanelas em Barbacena

Flanelas Personalizadas, diversos modelos e cores.

Capas de TNT  Barbacena

Capa em TNT em Barbacena

Capas em TNT para Roupas em Geral.

Sacolas Ecológicas  Barbacena

Sacolas Ecológicas em Barbacena

Sacolas Ecológicas, recicláveis, vários tamanhos e modelos.

Mercados

Atendendo as necessidades de diversos segmentos de mercado, criamos produtos específicos para atender indústrias, comércios, eventos esportivos e hotéis. Com uma programação de entregas em prazos e locais planejados.

Sobre Barbacena

Barbacena é um município do estado de Minas Gerais, no Brasil. Localiza-se a uma latitude 21º13’33” sul e a uma longitude 43º46’25” oeste. Sua população estimada, em julho de 2017, era de 136 689 habitantes.[5]

É um grande produtor de frutas e de flores. Destaca-se como centro de ensino, com expressiva influência regional, tendo também um comércio diversificado. Barbacena fica na Serra da Mantiqueira. Dista 169 quilômetros da capital do estado, Belo Horizonte. O município, com 788,001 quilômetros quadrados, ocupa o sítio de um antigo aldeamento de índios puris, na região conhecida como Campo das Vertentes.

Saiba mais sobre o Barbacena

História

As origens

A atual cidade de Barbacena nasceu na cabeceira do Rio das Mortes. Era um local habitado por índios puris. A região começou a ser explorada a partir do século XVII por bandeirantes oriundos de São Paulo à procura de ouro, pedras preciosas e mão de obra escrava. Os bandeirantes se estabeleceram no local chamado Borda do Campo, também denominado Campolide, onde erigiram a capela de Nossa Senhora da Piedade.

Era a Fazenda da Borda do Campo, de propriedade, desde o fim do século XVII, dos bandeirantes capitão-mor Garcia Rodrigues Pais e de seu cunhado coronel Domingos Rodrigues da Fonseca Leme e, por carta de sesmaria, desde 1703. Ficava às margens do Caminho Novo da Estrada Real para o Rio de Janeiro, empreendimento iniciado às expensas do capitão-mor Garcia Rodrigues Pais em 1698 e que Domingos Leme ajudou a concluir. Garcia Rodrigues Pais também recebeu carta de sesmaria das suas posses antigas na Borda do Campo em 1727. A propriedade, tempos depois, passou às mãos do inconfidente José Ayres Gomes.

Em 1711, a localidade participou de um feito épico: hospedou, às custas de Domingos Rodrigues da Fonseca Leme, o governador da capitania, Antônio de Albuquerque, acompanhado de um exército de 6 000 homens, que ali acampou em marcha de socorro à cidade do Rio de Janeiro, então invadida pelos franceses da esquadra de René Duguay-Trouin. Domingos Leme integrou, ainda, este exército com duzentos de seus homens.

Em 1725, o quarto bispo do Rio de Janeiro, o frei Dom Antônio de Guadalupe, criou a Freguesia de Nossa Senhora da Piedade, que teve a antiga capela como sede provisória até 1730, foi o primeiro vigário o Pe. Luiz Pereira da Silva, passando depois a sede, para a Capela de N. S. do Pilar do Registro Velho (atual Sá Fortes) capela esta que caiu em ruínas e desapareceu por completo em meados do século XIX.[10]

Em 19 de agosto de 1728 na primeira visita pastoral de D. Frei Antônio de Guadalupe, foi escolhido o “sítio da Igreja Nova” – a atual Matriz – sendo a 9 de dezembro de 1743, demarcado o local pelo Pe. Manoel da Silva Lagoinha, com uma Cruz de madeira e iniciada na mesma data a edificação do templo com as licenças do bispo D. Frei João da Cruz.[10]

Em 27 de novembro de 1748, a freguesia foi transferida para a Igreja Nova de Nossa Senhora da Piedade (atual matriz), arquitetada pelo mestre Alpoim. Em torno da igreja, erigiu-se o “Arraial da Igreja Nova de Nossa Senhora da Piedade da Borda do Campo”, chamado também de Arraial ou freguesia da Borda do Campo ou ainda de Arraial da Igreja Nova do Campolide e o templo entregue ao culto pelo Pe. Antônio Pereira Henriques, então vigário, autorizado pelo primeiro bispo de Mariana Dom Frei Manoel da Cruz, por provisão de 15 de novembro de 1748. As obras, entretanto, prosseguiriam até 1764, ano de sua conclusão.[10]

Inconfidência Mineira

Ver artigo principal: Inconfidência Mineira

Pertenciam ao arraial e depois Vila de Barbacena cinco dos inconfidentes:

  • Domingos Vidal Barbosa Lage, irmão do brigadeiro José Vidal; obteve comutação da pena de morte, foi exilado para a Ilha de S. Tiago do Cabo Verde, onde faleceu oito meses após a sua chegada, no Convento de S. Francisco da Cidade de Ribeira Grande.
  • Coronel Francisco Antônio de Oliveira Lopes, morreu no degredo, em Bié na África.
  • Padre José Lopes de Oliveira, falecido no cárcere na fortaleza de São Julião da Barra, em Lisboa.
  • Padre Manuel Rodrigues da Costa, proprietário da Fazenda e Capela do Registro Velho, depois de preso e degredado para Portugal retornou ao Brasil e tomou parte ativa nos acontecimentos do “Fico”, da Independência, foi eleito para as Cortes em 1820 e participante da Revolução Liberal de 1842.
  • José Aires Gomes, Coronel de milícias, um dos subscritores da petição ao Visconde de Barbacena para a criação da Vila, proprietário da Fazenda da Borda do Campo, onde hospedou Tiradentes e foi local de “conventículos” da Inconfidência, morreu no exílio no presídio de Inhambane em Moçambique.

Também morava na Freguesia da Borda do Campo o inconfidente-delator Joaquim Silvério dos Reis, e segundo Joaquim Norberto de Souza e Silva, autor do primeiro livro brasileiro sobre a Inconfidência Mineira, “não esqueceu o Governador (Visconde de Barbacena) a circunstância de nascer a denúncia da Conjuração na bela povoação da Borda do Campo e elevou-a à Vila com o seu nome”.[11]

Após a morte de Tiradentes, a vila de Barbacena recebeu um dos seus braços, que teria sido erguido numa “picota” no adro da Igreja de Nossa Senhora do Rosário em cujo adro teria sido sepultado. A bandeira e as armas e brasão da cidade, que contém um braço estendido, memorizam este fato.

Criação da vila

Em 14 de agosto de 1791, foi criada a Vila de Barbacena e erigido o respectivo pelourinho e Câmara pelo Visconde de Barbacena, D. Luís Antônio Furtado de Mendonça, então governador e capitão-general da capitania, que deu à vila o seu próprio título (originalmente, de Barbacena, em Portugal).

A vila teve como sede o antigo Arraial da Igreja Nova de Campolide, compreendendo, ainda, os territórios dos arraiais e freguesias de Nossa Senhora da Conceição do Engenho do Matto e de Nossa Senhora da Glória do Simão Pereira. Foi desmembrada dos territórios das Vilas de “Sam João de El Rey” e de “Sam Joze de El Rey”, confrontando com as vilas de Mariana, Queluz (atual Conselheiro Lafaiete), “Sam João de El Rey” e “Sam Joze de El Rey” (atual cidade de Tiradentes).

Nobre e Muito Leal

 

Gravura de Barbacena por Rugendas, cerca de 1820

 

Cadeia Velha – construção do início do século XIX.

Barbacena, por meio de sua câmara, foi a primeira vila de Minas Gerais a enviar representação a D. Pedro I, então regente, em favor do “Fico” (9 de janeiro de 1822), em 11 de fevereiro de 1822, dirigiu-se a Câmara de Barbacena ao príncipe regente numa representação em que se propunha para ser a sede da Monarquia portuguesa e se ofereciam os barbacenenses para descer “em massa” ao Rio de Janeiro para tomar armas em defesa do Príncipe. Estes atos lhe valeram o título de Nobre e Muito Leal, conferido por decreto, de 24 de fevereiro de 1823 e alvará de 17 de março do mesmo ano.

Revolta dos liberais de 1842

Barbacena foi elevada a cidade pela Lei Provincial nº. 163, de 9 de março de 1840. Em 10 de junho de 1842, a cidade aderiu à Revolução Liberal. Instada pela Guarda Nacional e o povo, a Câmara Municipal declarou a cidade sede do governo da província e deu posse a José Feliciano Pinto Coelho da Cunha, depois Barão de Cocais, como “presidente interino da Província”. Depois deste episódio, ficaram presos vários dos revolucionários na “Cadeia Velha”, dentre eles o Conde de Prados, político do Império.

Dentre os barbacenenses que atuaram no movimento, além do Conde de Prados Camilo Ferreira Armond, participaram o Cel. Marcelino Ferreira Armond, 1º Barão de Pitangui, os irmãos João Gualberto, Pedro Teixeira e Antônio Teixeira de Carvalho e o vigário Joaquim Camilo de Brito

O fim do século XIX

Por ocasião da Guerra do Paraguai, a cidade forneceu 152 voluntários e 77 guardas nacionais para o esforço de guerra. Em 1889, Barbacena hospedou o Imperador D. Pedro II em sua última viagem a Minas Gerais e, em 1893, sediou a sessão extraordinária do Congresso Mineiro que deliberou sobre a mudança da capital do estado de Ouro Preto para Belo Horizonte.

No fim do século XIX, atendendo a uma política do Império, o município recebeu um grande número de imigrantes italianos. A primeira leva era composta por agricultores, a maioria veio do norte da Itália. Em 15 de abril de 1888, o Governo Imperial inaugurou uma colônia de imigrantes nos arredores de Barbacena. O local foi denominado “Colônia Rodrigo Silva”, homenageando o então ministro da Agricultura. Assim como em todo o País, à época, o fluxo imigratório na cidade colaborou para o crescimento, a diversificação das atividades comerciais e agrícolas e o desenvolvimento de indústrias, como sericicultura, cerâmica, marcenaria e construção civil.

O fórum judicial e o entrocamento da Oeste

 

Construção da Colônia dos Alienados de Barbacena em 1921 (Arquivo Nacional).

Em 30 de junho de 1923 foram inaugurados simultaneamente o entroncamento da “antiga linha da Oeste” (Estrada de Ferro Oeste de Minas) ligando a cidade a São João del-Rei e o edifício do foro judicial, que mais tarde recebeu o nome de “Mendes Pimentel”, foi construído durante o governo Arthur Bernardes e inaugurado na gestão Raul Soares. Na ocasião serviu de instalação para os cartórios do 1º. e 2º. ofícios, escrivania de paz, coletoria estadual e tribunal do júri.

 

Fórum Mendes Pimentel, em 1923

As inaugurações foram feitas pelo Ministro da Viação Francisco Sá, pelo secretário do Interior Melo Viana e pelo Secretário da Agricultura Daniel de Carvalho com a presença do Arcebispo da Arquidiocese de Mariana, dom Helvécio Gomes de Oliveira e do padre Sinfrônio de Castro e dos deputados Bias Fortes e José Bonifácio.[12]

O edital de concorrência da obra do fórum foi publicado em 25 de fevereiro de 1922 no órgão oficial do Estado, a edificação se deu em terreno adquirido pela Câmara Municipal alguns anos antes na esquina da antiga rua da “Boa Morte” e estava orçada em 77:652$800 (“contos de réis”). Em 1930 o prédio serviu de sede para o Comando Revolucionário em Barbacena.

Duas revoluções

A cidade teve participação ativa na Revolução de 1930 e na Revolução de 1932. Localizada estrategicamente às margens da estrada que levava à Capital, Rio de Janeiro, a cidade foi sede do “Quartel-General da 4ª Região Militar Revolucionária”, em 1930. O avanço dos revolucionários de Barbacena sobre Juiz de Fora e a tomada desta praça, com a rendição e adesão das tropas legalistas, tornou livre o acesso dos mineiros à capital da República. Esse fato foi decisivo para a deposição de Washington Luís e a vitória da Revolução.

Holocausto brasileiro

O Hospital Colônia

O Hospital Colônia de Barbacena foi fundado em 1903[13][14] e, após pouco tempo de sua inauguração, tornou-se referência nacional em Psiquiatria,[carece de fontes] sendo procurado por diversas famílias que buscavam tratamento para seus “desajustados”. Tendo inicialmente cerca de 200 leitos, o Colônia estava operando muito acima de sua capacidade normal, contando com, em média, 5 mil pacientes por internação na década de 1950 – há um relato, do Doutor Jairo Toledo, que, em um único dia, dezessete pacientes vieram a morrer durante a madrugada, vítimas do intenso frio.[carece de fontes]

Os pacientes, oriundos de diversos estados do Brasil, chegavam em Barbacena por trem, em vagões abarrotados, cuja condição desumana fez surgir a expressão “trem de doido” para significar viagem ao inferno.[15]

Enquanto o plano do Hospital Colônia era primariamente atender a pessoas com transtornos mentais, o local acabou por tornar-se um campo de extermínio para aqueles que não se adequavam aos padrões normativos da época ou não atendiam aos interesses políticos de classes dominantes.

Vida na instituição

As condições de vida dentro da instituição eram sub-humanas. O psiquiatra italiano Franco Basaglia, que teve a chance de visitá-lo em 1979, chegou a comparar o local a um campo de concentração nazista e exigiu seu fechamento imediato.[16] O fechamento do Colônia só ocorreria anos mais tarde, durante a década de 1980. Em 1996, anos após seu fechamento, o Colônia foi reaberto, desta vez transformado no “Museu da Loucura”.[17]

É importante realçar que, dentro dos 60 mil mortos, cerca de 70% dos pacientes do Colônia não possuíam diagnóstico de transtorno psicológico algum. Muitos dos pacientes eram apenas alcoólatras, andarilhos, amantes de políticos, crianças indesejadas, epiléticos, inimigos políticos da elite local, prostitutas, homossexuais, vítimas de estupro e pessoas que simplesmente não se adequavam ao padrão normativo da época, como homens tímidos e mulheres com senso de liderança ou que não desejavam casar-se.

Além de serem forçados a trabalhar manualmente e dormir sobre folhas, os internos ainda precisavam lidar com estupros, torturas físicas e psicológicas que eram frequentes dentro do Hospital. Pacientes eram submetidos a terapia de choque e duchas escocesas sem nenhuma razão aparente; tal tortura era aplicada com o propósito de servir apenas como castigo ou devido à perseguição oriunda de falta de afinidade entre pacientes e funcionários. Muitos não resistiam e acabavam falecendo.

Devido à superpopulação, os internos andavam parcialmente ou completamente nus e eram expostos às baixas temperaturas de Barbacena durante a noite. Em uma tentativa de sobreviver, buscavam aquecer-se dormindo em círculos, mas ainda assim muitos padeceram por conta de hipotermia.

Não existia um sistema de água encanada ou suprimento de alimentos que abastecessem o alto número de pacientes. Muitos banhavam-se ou bebiam de um esgoto a céu aberto dentro do local. Para proteger seus bebês que eram separados das mães após algum determinado tempo, grávidas cobriam a si mesmas com fezes, evitando que funcionários e outros pacientes se aproximassem. Doentes eram abandonados em seus leitos para morrer.

Crianças que cresceram dentro do Colônia jamais aprenderam a falar, ler ou escrever, e contavam com a ajuda de bons-samaritanos no local para realizar atividades mais básicas.

Em 1961, o fotógrafo Luiz Alfredo do jornal O Cruzeiro retratou a realidade dentro do Hospital por um determinado período de tempo, trazendo a público o que ocorria no interior dos muros do Colônia.[18]

Em 1979, o jornalista Hiram Firmino publicou diversas reportagens intituladas “Nos porões da loucura“, que revelavam a verdadeira loucura do que se passava no Hospital Colônia,[19] e Helvécio Ratton realiza o filme sobre o mesmo tema intitulado Em Nome da Razão.[20]

Tráfico de corpos

Com o alto índice de mortalidade no Colônia, o cemitério próximo já não possuía mais espaço para comportar tantos mortos. Visando uma alternativa, funcionários corruptos encontraram no tráfico de corpos uma maneira de amenizar a situação e lucrar com isso – diversas universidades ao redor do país encomendavam os restos mortais das vítimas do Colônia para seus laboratórios anatômicos, como por exemplo a Faculdade de Medicina da Universidade de Minas Gerais.[21] Quando a procura era baixa, os corpos eram meramente dissolvidos em ácido.

Sobreviventes

Até o início de 1980, aproximadamente 60.000 pacientes morreram. Entre estes mortos, 1.853 tiveram seus corpos vendidos para faculdades de medicina.[22] Atualmente, 190 pacientes em situação de baixa sobrevida são tratados no Centro Hospitalar Psiquiátrico de Barbacena. Após o fechamento, seus pouquíssimos sobreviventes foram transferidos para abrigos de melhores condições e, por direito, passaram a receber indenização do Estado. Seus relatos podem ser encontrados no livro da jornalista Daniela Arbex, intitulado Holocausto Brasileiro.[15]

Barbacena, município de Minas Gerais – Sacolas TNT

Porque investir em sacolas personalizadas?

Investir em sacolas personalizadas é estar sempre ao lado de seus clientes, valorizando a sua marca, e o melhor, com seu logotipo impresso em produtos de alta qualidade. Aqui você irá encontrar ótimas opções de sacolas e sacos de TNT e personalizadas.

Porque utilizar sacolas de TNT?

As Sacolas de TNT, ajudam a diminuir o impacto das sacolas de plástico na natureza mais do que uma moda, o uso das sacolas de TNT é um compromisso de cada pessoa com o meio ambiente e com a sociedade. Por isso, é uma ótima decisão! São produtos recicláveis e ecologicamente corretos!

Vantagens de utilizar sacolas de TNT:
  • Com o devido cuidado, as sacolas de TNT duram por muitos anos, além de resistentes, Imagine quantas sacolas plásticas você economizará em 1 ou 2 anos por exemplo.
  • Não possuem qualquer produto químico que agrida a natureza.
  • O uso da sacola de TNT pode significar uma economia de até 6 sacos plásticos por semana.
  • São mais práticas para guardar as compras e mais confortáveis para transportar, além de uma durabilidade incrível, sendo multiuso.
Sacolas TNT Personalizadas entrega para todo Brasil

Sacolas Personalizadas TNT, enviamos para todo Brasil

Clientes

Print

Solicite agora mesmo o seu orçamento nos nossos canais de atendimento.

Desenvolvemos de acordo com a sua necessidade. Sua marca em evidência nos produtos reutilizáveis com qualidade, luxo e elegância.

SACOLAS E SACOS PERSONALIZADOS

CONTATO

Telefone: 11 2295-0990
WhatsApp: 11 9 9637-1112
Email: info.flatex@uol.com.br